Timidez ou Fobia Social?

Quem já não se pegou em uma situação ou outra imaginando o que os outros estão pensando sobre si: o que vão pensar de mim? O que vão achar da minha roupa nova? Será que vão gostar da minha apresentação? Será que vou encontrar pessoas conhecidas na festa? São questionamentos que podem fazer parte do cotidiano da pessoa considerada tímida ou introvertida.

A timidez é uma característica da personalidade, um modo de funcionamento e em algum momento todos nós temos comportamentos tímidos. Contudo preste atenção no grau de sofrimento em seus contatos sociais, pois nem sempre nossa preocupação com a avaliação de outras pessoas é apenas timidez.

Não comer na frente de outros, não conseguir assinar um cheque, ficar em pânico diante de apresentações em público ou mesmo diante de figuras de autoridade, chefes, por exemplo; sentir intensa ansiedade em situações sociais, como festas, encontros ou mesmo paqueras, podem ser mais do que pequenos problemas do dia-a-dia de alguém que se considera uma vítima da timidez. Podem ser sinais de ansiedade social ou fobia social.

Na timidez a pessoa tem dificuldades com algumas situações, na ansiedade social, há impedimento de realizar, de viver normalmente! A fobia social tem sintomas intensos e reconhecidos como exagerados. Sinais claros, como: rubor facial, sudorese, gagueira, tremor e até mesmo ataques de pânico, pensamentos irracionais que causam intenso medo e comportamentos evitativos estão sempre presentes.

A pessoa que sofre de fobia social quer (entenda como precisa, necessita) a todo custo evitar de parecer ridícula diante dos outros. É comum diante de tanto incômodo o desenvolvimento de outros transtornos, como a depressão e ansiedade e ainda abuso de álcool e drogas, que em um primeiro momento funcionam como “facilitadores” dos contatos sociais. O tratamento mais indicado é a combinação entre medicação e terapia cognitivo-comportamental.

O primeiro com intuito de controlar os sintomas e a terapia tem como principal objetivo interromper a retroalimentação dos pensamentos irracionais, através de questionamentos, reestruturação cognitiva e técnicas de enfrentamento, claro buscando identificar e abandonar gradualmente reforços no próprio meio social e na história de vida dos pacientes.

Não seja dominado pela ansiedade, ela apenas faz parte de você, mas não é você!

Invista em você!