TDAH em adultos

O Transtorno de Déficit de Atenção e/ou Hipertatividade (TDAH) é um transtorno caracterizado por um padrão de comportamento que inclui desatenção, hiperatividade e impulsividade, causando prejuízos em várias áreas da vida: estudos, trabalho, relacionamentos, etc. Originalmente as pesquisas apontavam para o transtorno apenas em crianças, contudo estudos de longo prazo indicam que esse transtorno pode persistir na vida adulta.

Em adultos alguns sintomas se modificam ou são atenuados ou ainda são confundidos com “problemas de temperamento”; problemas de relacionamentos e emocionais podem ser confundidos com outros transtornos, sendo as dificuldades em planejar, organizar e executar tarefas os sintomas mais evidentes.

O não tratamento do TDAH traz como consequência dificuldades em várias áreas da vida de uma pessoa, tais como:

* Dificuldades acadêmicas (pessoas com dificuldades em se concentrar ou se interessar em leituras, aulas, por exemplo);

* Dificuldades em manter rotina (um bom exemplo são as pessoas que começam as coisas, mas não terminam, se entediam facilmente ou mesmo não conseguem organizar seu dia-a-dia);

* Dificuldades em planejamento e execução (algumas pessoas não conseguem se planejar, perdem tempo com detalhes desnecessários ou mesmo ficam apenas com o planejamento sem conseguir executar);

* Dificuldades em relacionamentos (intolerância, pávio curto, explosões, brigas);

* Vulnerabilidade à dependência química (muitas pessoas recorrem às drogas ou ao álcool para aliviar suas frustrações).

Para o tratamento a indicação é o trabalho multidisciplinar envolvendo medicação, psicoterapia, principalmente a Terapia Cogniiva-Comportamental, e treinos específicos indicados para trabalhar: Atenção e Memória; Gestão do Tempo; Resolução de Problemas; Impulsividade e Hiperatividade; Controle e Manejo de sentimentos de ansiedade, frustração e raiva; Melhora dos relacionamentos familiares e sociais. O objetivo do tratamento é, além de melhorar os sintomas, trabalhar melhores estratégias de adaptação e diminuir os prejuízos causados pelos sintomas, sendo um tratamento de longo prazo.

Alguns adultos com TDAH iniciaram o transtorno na infância e não foram diagnosticados. Existem estudos, inclusive, que indicam que boa parte da população carcerária é de indivíduos com TDAH não diagnosticado e, consequentemente, não tratado. Nem todas as pessoas que sofrem de TDAH vão para esse caminho, mas sofrem bastante e tem dificuldades de encontrar novas estratégias adaptativas, muitas vezes apenas acreditam que nasceram assim e pronto, estão sem saída. Por isso, é importante deixar claro que existe tratamento para o TDAH e as pessoas que desconfiam de alguns sintomas devem buscar ajuda.

Invista em você!