O olhar do outro

“O olhar do outro produz em mim minha identidade, por reflexo.” (Lacan)

Você já percebeu o quanto o olhar do outro é importante na nossa vida? Nos vestimos e logo nos questionamos se estamos adequados ao local, ao evento, às pessoas; fazemos um trabalho, escrevemos um artigo e ficamos pedindo a opinião das pessoas, seja do chefe, orientador, mentor, amigo; compramos algo que estamos querendo há um tempo e antes de mais nada nos pegamos mostrando para as pessoas, “postando” no Facebook, ligando para alguém para contar.

Na maioria das vezes que mencionamos a necessidade do outro, o contexto é negativo por tendermos a anular nossa identidade pelo outro, porém nesse artigo quero discutir o quanto encontramos a nós mesmos no outro.

O outro faz parte da nossa vida desde o nascimento, embora simbioticamente nos confundamos com nossa mãe e acreditamos que ela faça parte de nós, com o passar do tempo percebemos que essa mãe não somos nós e que há outros “outros”: o pai, os avós, os irmãos, etc, e aí a vida fica mais interessante. A nossa identidade é construída pelo outro, que a reflete o tempo todo.

Antes de nascermos já temos um nome, fazemos parte de um sonho, de uma história, talvez até uma profissão futura. Nossos pais, inevitavelmente, projetam em nós seus sonhos, medos e complexidades e nós, com um corpo e uma mente ainda em desenvolvimento, vamos aprendendo o que é ser humano através deles, dos cuidados, dos limites, do afeto e do olhar.

Alguns olhares permitem crescimento, outros não. Alguns olhares aprovam, outros não, Alguns olhares acolhem, outros não. Alguns olhares convidam, outros não. E assim, vamos vendo nosso reflexo nesse olhar. Olhar esse que reproduzimos ao longo da vida e que passamos a vida desejando reencontrar.

O mais espetacular disso tudo é que em meio ao outro, encontramos nosso eu, que se reflete singularmente, contando nossa história, nossas escolhas, nossas interpretações e o quanto isso é belo e único.

Invista em você!