Depressão: sintomas que confundem

Depressão hoje é uma das doenças que mais cresce em todo o mundo, embora muitos diagnósticos e tratamentos ainda não estejam sendo bem feitos: ou tudo é Depressão ou nem se desconfia que aquelas atitudes sejam de um sujeito com Depressão. Quero com esse artigo esclarecer alguns pontos que ajudem a reconhecer um possível quadro depressivo, para estimular a busca de ajuda e a quebra de preconceitos.

Depressão não é qualquer sensação negativa ou reação de tristeza, mas sim a pessoa precisa apresentar alguns sintomas específicos que se relacionem a um certo grau de sofrimento, inibição ou diminuição de ações e atividades. Os sintomas clássicos que até nossos amigos e familiares podem perceber se caracterizam por tristeza, choro, desinteresse, rebaixamento do humor, abatimento moral, desânimo, falta de apetite, entre outros. Mas e quando o quadro não é tão óbvio e percebemos apenas que algo está acontecendo, sem tanta clareza?

Os sintomas podem variar sim de pessoa para pessoa, dependendo de cada personalidade, da maneira de lidar com as coisas da vida e até da aceitação de si. Uns vivem a reclamar de sintomas somáticos, ou seja, de dores em algumas partes do corpo, desconfortos gastrointestinais, fraquezas, tonturas; outros apresentam uma intensa raiva, sentimentos de ira, culpando a si e a outros por tudo; Uns sofrem pela falta de atenção, concentração, dificuldades em tomar decisões; ainda tem os que querem se isolar, deixar de se relacionar, com alta sensibilidade a tudo que vem dos outros, como se fossem sempre vítimas de ataques de outrem.

Os sintomas podem surgir como reação a fatores da vida como perda, separações, morte, e até situações positivas como casamento, nascimento de filhos, promoção no trabalho. Todas essas situações exigem que a pessoa se adapte e isso pode gerar um quadro depressivo, principalmente se a pessoa não se julga capaz de lidar com as novas demandas da vida. Também existem aqueles que experimentam um rebaixamento no seu ânimo, passam a enxergar o mundo e a si mesmo de forma negativa, mas sem que algo externo tenha relação com a mudança e outros que possuem um temperamento depressivo de base, ou seja, de constituição.

Nos relacionamentos o estrago que a Depressão traz é grande, podendo levar a separações conjugais, perdas de amigos. A falta de interesse sexual, a irritabilidade, o negativismo e as “negras” perspectivas futuras, podem abalar sobremaneira um casamento ou relacionamento.

Para tanto existe sim tratamento, que é feito através do controle de sintomas com a medicação prescrita por um médico psiquiatra e a psicoterapia junto a um psicólogo, para reavaliação do modo de pensar, tipos de vínculos estabelecidos com as pessoas e atitudes.

Uma dica é NÃO TOMAR DECISÕES importantes quando desconfiar de estar passando por um quadro depressivo, pois normalmente a Depressão pode distorcer a sua interpretação das coisas. Um alerta é a dificuldade que os homens tem em reconhecer que precisam de ajuda, temem entrar em contato consigo próprios, mas o desgaste e as perdas podem não valer pagar o preço de lidar com esses sintomas sozinho.

Lembre-se: estar deprimido é como se você usasse óculos escuros o tempo todo, de dia e de noite. Para que continuar assim, ao invés de quebrar preconceitos? Quebre principalmente os seus!

Invista em você!